quarta-feira, 26 de novembro de 2008

AO CUIDADOR:


É extremamente difícil cuidar de um doente de Alzheimer. Tem de acompanhar o doente ao longo do tempo, viver um dia-a-dia que se torna progressivamente mais difícil e experimentar sentimentos diversos, muitos deles negativos.

É normal que sinta tristeza pela sensação de que a pouco e pouco vai perdendo alguém que lhe é muito querido.

Sentirá também frustração, pois tem a consciência de que todos os seus cuidados, atenção e carinho não impedem a progressão da doença.

Vai sentir culpa, pela falta de paciência que por vezes tem, pelo sentimento de revolta em relação ao próprio doente, pela situação que vive.

Poderá também sentir solidão, pelo afastamento gradual da família e dos amigos.

Todos esses sentimentos negativos não significam que não seja um bom prestador de cuidados e de apoio. São apenas reacções humanas! Pelo que, para seu bem e para o bem do seu doente:

Não se recrimine demasiado;

Cuide de si e vigie a sua saúde;

Sensibilize os seus familiares para o ajudarem. Esclareça-os sobre a doença e sobre o modo como podem colaborar consigo;

Conheça os seus limites e tente encontrar auxílio;

Lembre-se que a sua presença, a sua ternura, o seu amor são indispensáveis, quer mantenha o doente em casa quer tenha de recorrer a internamento numa instituição.

http://www.portaldasaude.pt

1 comentário:

Emília disse...

Desde que lido com esta doença, o que mais me tem impressionado, para além da situação do próprio paciente, claro, é o desgaste que provoca nos cuidadores.Por isso merecem todo o apoio e atenção, para que possam desempenhar bem a sua tarefa, sem que adoeçam também...